MORFOLOGIA BÁSICA I: MORFEMAS E ESTRUTURA DE PALAVRAS

Aprenda o que é Morfologia e as Estruturas das Palavras. 

SÃO OXÍTONAS

Cateter, harém, masseter, mister, Nobel, novel, recém, refém, ruim, sutil, ureter.

O QUE É MORFOLOGIA?

Quando estudamos gramática, podemos dividir esse estudo em diversas partes, por diversas funcionalidades. Podemos estudar os sons das palavras, as frases, as relações entre as palavras ou os sentidos, por exemplo. Ao começarmos o estudo de morfologia, vale a pena definir exatamente o que será objeto de nossa atenção.

MORFOLOGIA

É a parte da gramática que estuda a forma das palavras na língua, suas estruturas e os processos de formação das mesmas.

Ou seja, estudaremos como são formadas as palavras, isto é, como são compostas, as funções desses elementos, entre outras possibilidades. Comecemos observando uma palavra:

Sapateiro

Podemos perceber que a palavra acima se deriva de sapato, palavra à qual se acrescenta o elemento -eiro, que indica – nesse caso – profissão. O importante é perceber que cada parte da palavra assume uma função significativa, isto é, indica-nos algum sentido que se soma à compreensão total da palavra. A cada uma dessas partes que compõe uma palavra, damos o nome de morfema.

Morfema – menor unidade de significação que constitui o elemento ou os elementos integrantes de um vocábulo.

Morfemas são elementos significativos, sejam estes ligados aos conceitos, seres e coisas as quais conhecemos em nosso mundo ou noções gramaticais, entendidas internamente na língua. Em “saleiros”, por exemplo, “sal” representa um morfema ligado ao mundo real, ao passo que “s” dá-nos uma noção gramatical de número.

ATENÇÃO

Observemos a palavra GAROTA, agora dividindo-a em seus morfemas:

MORFEMA DE SENTIDO

MORFEMA DE GÊNERO

MORFEMA DE NÚMERO

GAROT

A

Ø

Perceba que o sentido da palavra está presente na primeira parte do vocábulo, com a qual já sabemos “o que” significa o termo, faltando apenas a definição do gênero para a total compreensão. O morfema “-a” resolve a questão, formando uma palavra que indica uma criança ou adolescente do sexo feminino.

Entretanto, há uma particularidade interessantíssima ao falante: sabemos que o termo GAROTA indica apenas um indivíduo. E por quê? A resposta mais simples é a percepção de que não existe um morfema “-s” para indicar o plural. Assim, se a palavra não está no plural, obrigatoriamente está no singular. Por isso dizemos que a ausência do morfema de número é significativa. Nesses casos podemos afirmar que existe um morfema zero que indica uma condição gramatical da palavra, no caso, o singular.

Tomemos então o termo no plural:

GAROTAS

O simples acréscimo do morfema “-s” altera o número do vocábulo, formando o plural. Contudo, algumas palavras vão apresentar diferenças. Veja o exemplo abaixo:

PROFESSOR

Ora, caso quiséssemos colocar a palavra no plural, não bastaria apenas acrescentar o morfema “-s”, mas sim “es”. Comparativamente, teríamos:

MORFEMA DE SENTIDO

MORFEMA DE GÊNERO

MORFEMA DE NÚMERO

GAROT

A

S

PROFESSOR

Ø

ES

Novamente temos um “morfema zero”, agora para indicar o gênero masculino da palavra professor. Ambas os vocábulos estão no plural, mas percebe-se que o fazem de forma diferente. Podemos dizer que, na palavra professor, “-es” é o morfema que faz o plural, apesar de que, na língua portuguesa, o morfema mais comum para indicar o número é “-s”.

A conclusão a que chegamos é que o morfema “-es” é uma forma diferente do morfema “-s”, uma variação, portanto. Quando isso ocorre dizemos que existe a alomorfia, quando um mesmo morfema apresenta-se com variações quanto à forma, sem que deixe de apresentar a mesma atribuição. Simplificando, dizemos que “-es” é um alomorfe de “-s”, ou seja, uma forma diferente do morfema de plural, com a mesma função.

AS ESTRUTURAS DAS PALAVRAS

Compreendendo aquilo que são os morfemas, a tarefa resume-se a classificar os morfemas e mostrar-lhes as funções e possibilidades de uso nas palavras. Essa classificação chama-se estrutura das palavras.

RADICAL E RAIZ

Radical é o elemento mórfico que contém o sentido básico da palavra, seu núcleo de significação externa. Raiz é o elemento irredutível comum a todos os vocábulos de uma mesma família.

Cabe fazer a diferença entre esses dois conceitos para que se possa compreender melhor a estruturação dos vocábulos. Ambos remetem-se ao sentido que a palavra apresenta em nosso idioma, mas diferem-se quanto à extensão: o primeiro limita-se à palavra, o segundo corresponde ao conceito.

O problema que daí advém é o fato de que, nem sempre, pode-se perceber a raiz de uma palavra apenas pela forma como se apresenta hoje na língua, sendo necessário um conhecimento histórico-etimológico da mesma.

Quanto ao radical propriamente dito, basta afirmar que é a parte da palavra que resulta da supressão de desinências e vogal temática, gerando, inclusive, radicais secundários ou terciários (acrescidos de afixo).

Palavras cognatas

São aquelas que apresentam uma mesma família etimológica, fazendo todos os vocábulos associação à mesma raiz ou a um mesmo radical primário.

ATENÇÃO

No reconhecimento de cognatos surgem sempre algumas dúvidas, dado o caráter histórico de determinados radicais, que apresentam alomorfia. Assim, um radical pode apresentar variação de forma e ainda ser associado a uma mesma raiz. São os casos de pobre/ paupérrimo, chuva/ pluvial, pão/ padaria.

Muitos radicais têm sua origem no grego e no latim, duas importantes contribuições à formação da língua portuguesa. Segue abaixo uma lista com os principais radicais gregos e latinos.

O conhecimento histórico-etimológico – a chamada perspectiva diacrônica – não é essencial, não sendo fundamental o domínio completo da lista de radicais que se segue. Contudo, tal saber não é inútil, pois dele deriva-se uma compreensão maior dos conceitos e palavras que cotidianamente são utilizadas no idioma.

Radicais Latinos*

1º elemento da composição

Forma

Sentido

Exemplo

Agri

Campo

Agricultura

Ambi

Ambos

Ambidestro

Arbori-

Árvore

Arborícola

Bis-, bi-

Duas vezes

Bípede, bisavô

Calori-

Calor

Calorífero

Cruci-

cruz

Crucifixo

Curvi-

curvo

Curvilíneo

Equi-

igual

Equilátero, equidistante

Ferri-, ferro-

ferro

Ferrífero, ferrovia

Loco-

lugar

Locomotiva

Morti-

morte

Mortífero

Multi-

muito

Multiforme

Olei-, oleo-

Azeite, óleo

Oleígeno, oleoduto

Oni-

todo

Onipotente

Pedi-

Pedilúvio

Pisci-

peixe

Piscicultor

Pluri-

Muitos, vários

Pluriforme

Quadri-, quadru-

quatro

Quadrúpede

Reti-

reto

Retilíneo

Semi-

metade

Semimorto

Tri-

Três

Tricolor

Radicais Latinos*

2º Elemento da Composição

Forma
Sentido
Exemplos

-cida

Que mata

Suicida, homicida

-cola

Que cultiva, ou habita

Arborícola, vinícola, silvícola

-cultura

Ato de cultivar

Piscicultura, apicultura

-fero

Que contém, ou produz

Aurífero, carbonífero

-fico

Que faz, ou produz

Benefício, frigorífico

-forme

Que tem forma de

Uniforme, cuneiforme

-fugo

Que foge, ou faz fugir

Centrífugo, febrífugo

-gero

Que contém, ou produz

Belígero, armígero

-paro

Que produz

Ovíparo, multíparo

CADASTRE-SE

E receba em primeira-mão todas as novidades dos Vestibulares, Ofertas, Promoções e mais!