Estude com quem mais aprova. escolha um plano e faça parte dos milhares de alunos que são aprovados todos os anos com o Proenem
Pesquisar

Estude para o Enem totalmente grátis

Platão: Política

Platão: Política

Aprenda sobre a Política de Platão

A POLÍTICA EM PLATÃO

Na obra A República, Platão expõe sua concepção de sociedade, de política e de arte. Platão, nesse livro, propõe um Estado ideal, uma utopia. Nessa utopia, todas as peças da sociedade deveriam estar perfeitamente encaixadas no lugar certo, pois somente assim tudo funcionaria corretamente.

Em primeiro lugar, o objetivo do Estado ideal deve ser a Justiça e o Bem. Contudo, um Estado só pode alcançar a Justiça e o Bem quando a sua classe governante conhece a ideia perfeita e absoluta de Justiça e de Bem.

O povo não deseja conhecer o Mundo das Ideias; o povo deseja apenas satisfazer seus apetites imediatos, vivendo contente no Mundo das Aparências. Portanto, o povo não pode governar. Assim, Platão afirma que a democracia (o governo do povo) é um regime inadequado.

Platão era um aristocrata: considerava que apenas os melhores homens deveriam governar o Estado. Ele representava as diferentes castas sociais fazendo uma analogia com as partes do corpo e da alma:

• a casta produtiva, equivalente ao abdômen no corpo, corresponde à parte da alma responsável pelos apetites, e é composta pelos trabalhadores, carpinteiros, artesãos, fazendeiros, mercadores;

• a casta protetora, equivalente ao peito no corpo, corresponde à parte da alma responsável pelo “espírito”, pela coragem, e é composta pelos militares;

• a casta governante (legisladores ou Rei Filósofo), equivalente à cabeça, corresponde à parte da alma responsável pela razão, e é composta pelos cidadãos inteligentes, racionais, autocontrolados, que amam a sabedoria.

Podemos ainda representar analogia através do esquema abaixo:

Segundo esse modelo, a democracia ateniense não é boa, pois todos os homens livres governam, quando na verdade apenas poucos estão aptos a governar. Platão diz que os governantes, numa democracia, são os que têm maior capacidade retórica, mas deveriam ser os que têm maior sabedoria.

Para Platão, um Estado governado por diferentes tipos de alma declina da aristocracia (governo dos melhores) para a timocracia (governo dos honráveis), e, então, para a oligarquia (governo de poucos), para a democracia (governo do povo) e, finalmente, para a tirania (governo de um tirano). De qualquer modo, o pior governo é a democracia. Uma democracia ruim é ainda pior que uma tirania ruim, pois, em uma tirania ruim, há apenas uma pessoa praticando o mau governo; em uma democracia ruim, todo o povo pratica o mau governo, e, portanto, todo o povo é culpado. Platão propõe que, no Estado ideal, a classe governante deve manter o rígido controle sobre todas as atividades da população, inclusive com a utilização da censura.

Para Platão, tudo o que afastar as pessoas do caminho da verdade deve ser removido da cidade. A arte, segundo o filósofo, é imitação da vida comum; portanto, a arte é imitação do Mundo das Aparências; o que significa que a arte é imitação da imitação.

Logo, a arte está dois níveis distante do Mundo das Ideias. Por este motivo, os artistas, os poetas, devem ser banidos da cidade ideal. Como se pode notar, a concepção de Estado ideal de Platão é uma concepção totalitária. De fato, ao propor que o povo não sabe o que é melhor para si mesmo, e que é necessário que exista uma classe de governantes iluminados que conheça com exclusividade a Verdade e saiba o que é melhor para todos, Platão cria a matriz de inúmeras ideologias totalitárias posteriores.

TEXTOS COMPLEMENTARES

TEXTO I

SÓCRATES – No Estado, todos vós sois irmãos (…) mas o deus, ao plasmar-vos, a todos os que eram aptos para mandar, infundiu ouro em vosso interior ao gerar-vos, por serdes os mais dignos; misturou prata na composição de todos os aptos para serem defensores; porém, ferro e bronze na composição dos camponeses e outros artesãos. (…) Aos governantes, principalmente, e antes de tudo, ordenou o deus que nada vigiem melhor do que à prole (…) e se um seu filho chegar a conter bronze e ferro, de nenhuma maneira se apiedem, mas dando-lhe um cargo adequado com a sua natureza, o releguem entre os artesãos e os camponeses, e se, em troca, um destes nascer com mistura de ouro e prata, honrando-o, elevem-no à classe dos guardiões ou defensores.
(PLATÃO. A República)

TEXTO II

SÓCRATES – Aqueles que se possuem por meio de compra, que sem discussão possam chamar-se escravos, não participam em absoluto da arte régia.

GLÁUCO – E de que maneira poderiam participar?

SÓCRATES – E então? E todos os que entre livres se dedicam espontaneamente a atividades servis, como os anteriormente citados, transportando e permutando os produtos da agricultura e das outras atividades; aqueles que, indo de cidade em cidade, nos mercados, por mar ou por terra, trocando dinheiro por outras coisas ou por dinheiro, aqueles a quem chamamos de banqueiros, comerciantes, marinheiros e revendedores, poderiam por acaso reivindicar para si algo da ciência política? (…) Mas nem mesmo os que vemos dispostos a prestar serviços a todos por salários ou por mercês, nunca os encontraremos partícipes da arte de governar… Que nome lhes daremos?

SÓCRATES – Como agora acabas de dizer: servidores, mas não governadores dos Estados (PLATÃO. Político)

Quer aquele empurrãozinho a mais para seu sucesso?

Baixe agora o Ebook PORQUE VOCÊ PODE, gratuitamente!

Precisando de ajuda?

Entre em contato agora

👋E aí, ProAluno! Em que posso te ajudar?
Central de Vendas Central do Aluno